Cuidado com o golpe do falso boleto

IPVA, IPTU, matrícula da escola dos filhos. Todo começo de ano é assim. Muitas faturas, carnês e boletos. Época propícia também para ataque de golpistas, que apostam na confusão que a montanha de cobranças faz na mesa do pequeno empresário e intensificam o envio das tais anuidades ou mensalidades fantasmas. O golpe do boleto falso não é novo, mas mesmo assim ainda faz vítimas. Empreendedores Individuais (EIs), micro e pequenas empresas abertas recentemente são alvo preferencial dos estelionatários. Os golpistas contam com a falta de informação ou dúvidas dos empreendedores sobre os muitos tributos, taxas ou contribuições a que estão sujeitos.

A mecânica do golpe é simples: um boleto falso é enviado via Correios ou e-mail à empresa com um nome parecido ao de uma entidade ligada ao negócio. É uma forma de induzir ao erro. Com receio de ficar com alguma pendência, o empresário acaba pagando. Quem abriu negócio há pouco tempo está mais sujeito a cair na cilada por falta de experiência para identificar a falcatrua.

Como em muitos casos a armadilha funciona, o crime está espalhado por todo o país. Os golpistas se valem do acesso a cadastros de empresas que são vendidos irregularmente. Quem tem dados corporativos e deveria garantir a segurança deles, evitando a divulgação sem autorização, não o faz e, com isso, alimenta as quadrilhas.

Outra irregularidade encontrada se refere a um boleto enviado por uma entidade que até existe de verdade. Trata-se de um convite para, mediante um valor, filiação a uma associação. Porém, a informação de que o pagamento é facultativo não vem clara. No mínimo, é um caso de má-fé, igualmente reprovável.

A melhor maneira de o empresário se proteger é estar atento. Ele precisa verificar quais são os pagamentos obrigatórios e previstos em lei. Sempre que chegar uma cobrança, a primeira medida é certificar-se se o pagamento realmente é devido e buscar ajuda caso tenha dúvida. O contador pode auxiliar nessa tarefa. O Sebrae também pode orientá-lo.

Quem receber um boleto falso tem a possibilidade de procurar as autoridades para que os golpistas sejam punidos.

Em qualquer situação, informação é vital para não ser lesado. O golpe morrerá com o combate aos responsáveis e quando não houver quem o sustente. Muita atenção!

Fonte: Jornal Metro

comente aqui

Cerca de 80% das empresas já sofreram com fraudes de seus próprios funcionários

 

Quando pensamos em segurança para uma empresa, nos vem à cabeça situações envolvendo desde violência urbana até invasões cometidas por hackers, porém uma das maiores ameaças que o mundo corporativo precisa aprender a conviver e se defender são as fraudes internas, cometidas pelos próprios funcionários das companhias.

A cada 10 empresas brasileiras, ao menos sete já foram vítimas de algum tipo de fraude interna nos últimos dois anos. Os riscos podem vir de funcionários, prestadores de serviços e em sua maioria pessoas que ocupam cargos de liderança na corporação, muitas vezes com mais de 10 anos na empresa.

De uma mentira quanto a despesas pessoais numa viagem a trabalho, passando por falsificação de documentos e notas fiscais, até adulteraçã de cheques e desvios de ativos, oscrimes cometidos contra o patrimônio das empresas são de todos os tipos e vem todas as origens possíveis. E o pior: na grande maioria dos casos não se consegue recuperar os valores desviados e a denúncia à esfera policial pode chegar ao grande público e ferir a imagem da companhia.

Segundo especialistas no tema, a contribuição do RH é primordial para tentar minimizar a ocorrência desses crimes, num processo que envolve desde a contratação até a divulgação da política da organização em relação a fraudes. Para debater sobre estas e outras estratégias para proteger as empresas destas ameaças internas, a CorpBus!ness realizará no próximo dia 30 de novembro, em São Paulo, a 2ª edição do congresso Riscos & Fraudes Corporativos, onde serão apresentadas palestras de empresas como KPMG e PricewaterhouseCoopers, além do Ministério da Justiça e de especialistas em segurança corporativa e direito corporativo.A edição de 2011 do evento conta com o apoio da Revista Capital Aberto, Acionista.com.br,IBP, AuditSafe, ACFE, Crédito&Cobrança e ABGS.

“O evento vem se consolidando por se tratar de um assunto de interesse não só do mundo corporativo, mas de toda a sociedade. Trouxemos grandes empresas e ótimos palestrantes para conversarmos de forma séria e mais aprofundada o assunto, para ajudar o mercado a se proteger das ameaças que podem vir de todos os lados. Ser empresário definitivamente não é fácil”, explica Diogo Pastori, diretor-executivo da CorpBus!ness.

Sobre a CorpBus!ness

A CorpBus!ness é uma empresa de mídia focada no mercado corporativo, especialmente nos segmentos de Tecnologia da Informação e Comunicações (TIC). Fundada em 2007, a empresa hoje possui uma grade anual com 13 congressos onde são discutidos temas como TI, Mobilidade, Tecnologias Bancárias e de Pagamento, Telecom, Gestão de Pessoas e Mídia Digital, entre outros; todos voltados ao público executivo.

II congresso Riscos & Fraudes Corporativos

Realização:CorpBus!ness e Revista Inter IT

Local: Hotel Pullman, São Paulo – SP

Data:30 de novembro de 2011Horário: 8h30 às 18h

Informações, Patrocínio e Inscrições: (11) 3661-2785

Contato Imprensa:[email protected]

 

 

comente aqui

 
 

Crédito e cobrança