A estratégia das operadoras de telecomunicações de diversificar produtos e serviços como forma de alavancar a receita avança agora pelo segmento de pagamentos móveis. A TIM, Vivo e Claro anunciaram na Futurecom, feira de telecomunicações, TI e Internet que acontece até 24/10/2013 no Rio, serviços que permitirão efetuar pagamentos pelo celular. Na mira das teles, estão 55 milhões de brasileiros adultos que não possuem conta em banco, de acordo com pesquisa do Instituto Data Popular.

“Existe uma necessidade de mercado no Brasil, já que uma grande parcela da população é de pessoal não-bancarizado”, justificou Renato Improta, diretor de Serviços de Mobilidade para América Latina da consultoria Accenture. Na avaliação dele, a perspectiva no país é extremamente positiva para os serviços de pagamento móvel, inclusive entre os consumidores que já têm acesso aos meios tradicionais, como o cartão de crédito. 

“É uma tendência que vai depender da rapidez e da facilidade com que o cliente poderá usar os meios de pagamento móveis”, acrescentou o executivo da Accenture. Na análise dele, a diversificação está intimamente relacionada à luta das operadoras para ampliar sua rentabilidade: “O cenário é declinante, com operadoras que têm cada vez mais clientes e um ARPU (receita média por usuário) cada vez menor.” ATIM anunciou a realização de testes com a tecnologia NFC, que permitirá ao consumidor efetuar o pagamento aproximando o celular do equipamento POS (máquina que o lojista usa para passar o cartão do cliente). 

Automaticamente, a máquina irá reconhecer a identidade e a rede bancária do consumidor. “Estamos trabalhando em duas frentes, para o próximo ano”, disse o diretor de Marketing da TIM Brasil, Roger Solé. “Uma é o NFC, que tem como parceiros os bancos Itaú e Bradesco. A outra é uma carteira pré-paga virtual, em parceria coma Caixa Econômica Federal”, complementou. A Telefônica/Vivo apresentou novas metas para seu serviço de pagamento móvel lançado em maio, o Zuum. 

O novo formato de débito por mensagem de celular já conta com mais de 130 mil clientes Belo Horizonte (MG), Porto Alegre (RS) e cinco cidades de São Paulo. O objetivo agora é oferecer o serviço para todo o país a partir de janeiro de 2014. “Fizemos uma parceria com a Mastercard e, em janeiro de 2014, chegará o Zuum”, disse. Com o serviço, o cliente cadastrará um cartão de débito e poderá recarregar, fazer transferências e consultar saldos pelo serviço de mensagens. 

Além da recarga nos mais de mil estabelecimentos credenciados como pontos de depósitos e parcerias com redes varejistas Walmart e Extra, correntistas dos bancos Itaú, Bradesco, Banco do Brasil, HSBC e Banrisul também podem transferir valores para qualquer conta Zuum via internet banking. A Claro lançou, em parceria como Bradesco, um cartão pré-pago para celular. Vinculado a uma linha de telefone da operadora, o serviço, batizado de “Meu Dinheiro Claro”, pode ser utilizado para compras com pagamento em máquinas da Cielo. 

A operadora e o banco formaram a joint venture MPO, operadora e emissora dos cartões. Também é possível fazer transferências e saques em dinheiro sem a necessidade de um cartão físico. A adesão é gratuita e o uso da tecnologia não consome os créditos ou a franquia de dados da linha telefônica, pois não usa a internet. As cargas podem ser realizadas no Bradesco Expresso e os saques, efetuados em terminais do Bradesco e do Banco 24horas, com a cobrança de taxa de R$ 5, convertida em crédito para celular. 

O serviço já funciona em três cidades da Baixada Fluminense, na região metropolitana do Rio, e em Goiânia. “Pretendemos levar a todas as outras cidades até o ano que vem”, afirmou o diretor de serviços de valor adicionado da Claro, Alexandre Olivari. Já a Oi, que oferece pagamentos móveis para seus clientes desde 2007, lançou neste ano, em parceria com BB, o Oi Carteira, cartão pré- pago recarregável que funciona tanto no celular como no cartão tradicional e oferece ampla variedade de transações, como compras em mais de um milhão de estabelecimentos credenciados à Cielo. A operadora está realizando testes com NFC, já a tecnologia complementa outras formas de pagamento com celular.

Fonte: Brasil Econômico