Pesquisa realizada pela Boa Vista Serviços, administradora do SCPC, junto a 1.173 consumidores durante a ação “Acertando suas Contas”, realizada entre os dias 21 e 27 de novembro de 2011 no Vale do Anhangabaú, identificou o perfil do inadimplente, as causas da inadimplência e a situação das dívidas destes consumidores.

O levantamento mostrou que os inadimplentes possuem na média 2,4 contas em atraso, causadas, principalmente, pelo não pagamento de cartões de crédito (64,1% das pessoas) e/ou empréstimos pessoais (32,6%). Cheque especial aparece na sequência com 16,3%, seguidos por cheques sem fundos (15,8%) e cartão de loja, 15,3%.

Para 46,2% das pessoas entrevistadas, o que originou as dívidas não pagas foram as compras relacionados com alimentação, como por exemplo, supermercados e hipermercados. 35,2% responderam que suas dívidas são oriundas das compras de vestuário/calçados e, 18,5%, atribuíram as contas de concessionárias as responsáveis pela restrição.

O desemprego continua sendo a causa mais apontada da inadimplência, para cerca de 50% dos casos, seguido pelo descontrole dos gastos (27,9%) e das despesas que não estavam previstas (13,3%), como por exemplo, gastos extras com saúde e educação.

Quando comparadas ao ano anterior, 38,8% dos entrevistados declararam que as dívidas aumentaram em 2011, para 36,5% diminuíram e para 24,5% continuaram iguais.

Por outro lado, 59% declararam que a sua situação financeira atual é melhor do que há um ano, e 92,3% acreditam que a situação deve estar ainda melhor no próximo ano, refletindo ainda as condições de emprego e renda que elevaram o otimismo do consumidor.

A pesquisa também revelou que 80,7% dos entrevistados acreditam que o cadastro positivo deve beneficiá-los, contra 69,2% da última pesquisa realizada em setembro, refletindo o maior conhecimento da população sobre o tema.

Acesse o estudo na íntegra: http://migre.me/7aZLt

 

Fonte: Boa Vista

 

O uso de cartões de crédito requer controle mais detalhado do consumidor.

Para quem possui mais de um cartão de crédito, não basta apenas respeitar o limite de crédito do cartão, pois, o velho conceito de concessão de limite de crédito de 25% à 30% da renda, resulta em pelo menos 50% a 60% de comprometimento para aqueles que costumam concentrar seus pagamentos no cartão de crédito.

O parcelamento de compras no cartão também limita a capacidade de endividamento do consumidor para os meses futuros, reduzindo, ou até eliminando, a capacidade do  consumidor em suportar imprevistos financeiros que exijam gastos imediatos não programados.

O controle financeiro frágil e a falta de cultura de poupança são fatores que tornam o consumidor ainda mais vulnerável. Nesta situação, as facilidades do crédito tendem a levá-lo ao caminho do descontrole e inadimplência.

Não vou nem comentar o uso das facilidades do pagamento mínimo do cartão de crédito, que é um sintoma inicial que indica que já é hora de parar e rever o orçamento.

Não esqueça, para cobrar melhor, temos que conhecer o devedor. Por isso, acesse a pesquisa completa no link: http://migre.me/7aZLt

Saudações,

Dr. Denis Siqueira